...
Opções de pesquisa




Arte africana - Bronze :


Vere Bronze
Arte africana > Bronze > Vere Bronze

Ex-coleção de arte africana de um galerista parisiense cuja identidade será comunicada ao comprador.
Par de bronzes africanos representando um casal com objetos, numa postura dinâmica. Um dos pés do sujeito masculino é colocado sobre o de sua parceira, como que para conter o impulso do segundo sujeito. Os corpos estão marcados por escarificações. Pátina preta irregular, lascas, pigmentos residuais de verdete.
Os Vere, Verre , Were, Duru-Verre, ou mesmo Dii, vivem no nordeste da Nigéria, no estado de Adamawa (antigo Gongola) e no norte dos Camarões. Esta população muito pequena vive em cabanas circulares agrupadas em aldeias fortificadas.
As estatuetas Vere, cuja função permanece desconhecida, são raras e apresentam analogias com as obras produzidas pelos Mumuye, ...


Ver a folha

380,00

Fetiche protetor de bronze Nigéria
Arte africana > Fetiches > Bronze Nigéria

Extrato de uma coleção de arte tribal Africana belga de 17 peças representando diferentes assuntos.

Este objeto vem do nordeste da Nigéria perto do Lago Chade, em torno de Maiduguri, no estado de Borno, que atualmente é relativamente inacessível porque é controlado por grupos islâmicos armados. A língua dominante é o Kanuri.
É uma peça rara, associada a espíritos protetores, que foi enterrada no solo para preservar as colheitas de animais ou ladrões. As famílias Damosaka, grupo étnico minoritário muito pouco conhecido na região, tinham esse tipo de objeto ritual. Não temos informações sobre eles. Esta é uma figura masculina cujas mãos se encontram na frente do busto. Pátina granulada muito espessa de oxidação verdete. Aglomerados semelhantes a pedras permanecem na ...

Kongo Cruzar
Arte africana > Bronze > Kongo Cruzar

Entre os chefes do Congo no final do século XIX e início do século XX, o crucifixo servia, entre as insígnias do chefe, como símbolo de poder de autoridade. Uma cerimônia durante a posse do chefe exigia que o futuro líder recebesse das mãos de um dignitário, durante um ritual codificado, um nkangi kiditu. Esta insígnia de poder, inspirada nos antigos crucifixos cristãos importados pelos portugueses no século XVI, poderia também ter uma função terapêutica, podendo, além de diversas utilizações, ser brandida durante as cerimónias fúnebres em que o objecto era sujeito a libações. ou vinho.
Altura na base: 28 cm.
A cruz não seria um motivo específico do mundo cristão, considerando o Congo que os quatro ramos se ...


Ver a folha

280,00

Ndegese Bronze
Arte africana > Bronze > Ndegese Bronze

Sujeito ajoelhado promovendo linhagem. O penteado alargado é o dos chefes Totshi pertencentes à associação ikoho e evoca provérbios particulares. Simboliza respeito, inteligência e maturidade. Os padrões gravados em relevo remetem às escarificações que distinguiam social e esteticamente os indivíduos. Pátina dourada. Povo da África Central estabelecido em Kasai, vizinho de Kuba, os Ndengeses formam um dos clãs descendentes de um ancestral comum Mongo, alguns deles originários do Alto Nilo. . Produziram estátuas de arte primitiva com membros inferiores ausentes ou truncados, cobertas de símbolos gráficos, simbolizando o prestígio do líder. Ref.: “Tesouros de África” Museu Tervuren.


Ver a folha

340,00

Bénin Estátua
Arte africana > Bronze > Bénin Estátua

Escultura tardia do tipo Edo, em liga de bronze. Apresenta um dignitário sentado, que poderia representar o Oba Ewuakpe que foi forçado a usar um capacete europeu após ser privado de suas prerrogativas por causa de uma rebelião. Pátina preta desgastada.
Antes da destruição do palácio do Reino de Benin em 1897, o caráter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por múltiplas obras celebrando seu poder. Cenas de guerra foram reproduzidas em placas narrativas, em bronze, e afixadas nas paredes. Suntuosos altares de bronze, figuras comemorativas de chefes falecidos, pesadas pulseiras, tornozeleiras e recadinhos foram produzidos em quantidade em muitas oficinas de fundição utilizando a técnica de fundição por cera perdida. As inúmeras cabeças e estátuas de latão criadas pelos artistas de ...


Ver a folha

190,00

Sao Bronze
Arte africana > Jumper > Sao Bronze

Na arte africana, as obras inspiradas em Sao Sokoto são influenciadas principalmente pelo mundo equestre.
Dentro da etnia, pequenos exemplares de cavaleiros, geralmente feitos de bronze, são derretidos e usados ​​como talismãs, patinados e brilhantes por fricção. São considerados sobretudo como um remédio para combater a possessão por espíritos malignos. O cavalo representa o espírito da pessoa que está possuída, enquanto o gênio que o possui é simbolizado pelo cavaleiro.
Sujeitos a sucessivos ataques dos seus vizinhos de Kanem e depois às hordas do Leste, os Sao tiveram que abandonar as suas terras para se estabelecerem no Noroeste dos Camarões, onde se cruzaram com os nativos, dando assim origem aos Kotoko. Mais do que uma etnia, os Sao são uma civilização que já ...


Ver a folha

70,00

Vere Bronze
Arte africana > Bronze > Vere Bronze

Estatueta africana representando um sujeito com características faciais proeminentes. O sujeito está usando objetos circulares, provavelmente anéis de metal.
Pátina semicrosta.
Os Vere, Verre , Were, Duru-Verre, ou mesmo Dii, vivem no nordeste da Nigéria, no estado de Adamawa (antigo Gongola) e no norte dos Camarões. Esta população muito pequena vive em cabanas circulares agrupadas em aldeias fortificadas.
As estatuetas Vere, cuja função permanece desconhecida, são raras e apresentam analogias com as obras produzidas pelos Mumuye, seus vizinhos próximos estabelecidos entre a Nigéria e os Camarões.


Ver a folha

290,00

Sao Bronze
Arte africana > Bronze > Sao Bronze

Usada como um amuleto creditado com virtudes apotropaicas, esta pequena escultura de bronze constitui, para os Sao, um talismã usado permanentemente, supostamente para protegê-los da loucura. O gênio que possui o louco é representado pelo cavaleiro, o cavalo representa a vítima. Este cavaleiro de cheche monta um equino que era um raro atributo de prestígio nestas regiões do Sahel.
Os Sao, ancestrais dos Kotoko, foram estabelecidos entre os séculos 12 e 14 em uma área geográfica que se estende ao longo das fronteiras entre o Chade, o norte de Camarões e a Nigéria. Eles se estabeleceram em colinas, o que lhes permitiu repelir invasores. Sujeitos a sucessivos ataques de seus vizinhos de Kanem e depois de hordas do Leste, os Sao tiveram que abandonar suas terras para se estabelecer no ...


Ver a folha

40,00

Yoruba bronze
Arte africana > Bronze > Yoruba bronze

Na arte africana, o movimento artístico ao qual pertence este tipo de escultura africana tem o nome da antiga capital religiosa da Nigéria, Ifè, uma das as muitas cidades-estado estabelecidas pelos iorubás. Esta civilização sucedeu à civilização Nok. Esta cidade-estado de Ilé-Ifé, cujo crescimento atingiu o auge entre os séculos XII e XV, tinha uma tradição artística de retratos reais impregnados de realismo, efígies funerárias em bronze mas também em terracota. As dobras paralelas desenhadas no pescoço evocariam as dobras de carne dos notáveis ​​prósperos, e as partes ocas teriam sido usadas para prender o véu de contas do rei. As linhas paralelas da face representam escarificações tradicionais. As cabeças de bronze foram feitas na técnica da cera perdida, técnica que pode ter sido ...


Ver a folha

650,00

Tikar Sino
Arte africana > Bronze > Tikar Sino

Os chefes das pastagens camaronesas, os Fon, conhecidos por deterem tesouros de obras de arte, pulseiras, colares, estátuas, sinos, valorizavam os fundadores e escultores ao serviço do reino. Estas produções, sem as quais o chef perdeu prestígio, visavam engrandecer o papel do fon. A técnica utilizada era a fundição por cera perdida, variando as decorações de acordo com o status do destinatário a quem o rei desejava conceder uma recompensa. Os Bamoun às vezes compravam obras dos Tikar, que também eram talentosos em metalurgia. A partir de 1920 os fundadores deixaram de trabalhar exclusivamente para a corte. Localizada na região fronteiriça da Nigéria, na província noroeste dos Camarões, Grassland  é composta por vários grupos étnicos: Tikar, Anyang, Widekum, Chamba, Bamoun e Bamileke. ...


Ver a folha

450,00

Bronze africano
Arte africana > Bronze > Bronze africano

Assunto representando um anão, ou "louco", que apareceu no século XV na comitiva do rei, e tinha como objetivo não só a diversão, mas também a vigilância. Dons ocultos também foram atribuídos a eles. Segundo Fagg, essas figuras também eram acrobatas e ilusionistas. Este tipo de escultura em bronze deve ter adornado os altares dos ancestrais.
Pátina marrom. Na arte africana, a arte do Benin é descrita como arte da corte porque está intimamente associada ao rei, ou Oba.

Antes da destruição do palácio do reino do Benin em 1897, o carácter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por múltiplas obras codificadas que celebravam o seu poder. Cenas bélicas que os glorificavam foram reproduzidas em placas narrativas, em bronze, e afixadas nas paredes. Suntuosos altares de bronze, ...


Ver a folha

390,00

Dogon Bronze
Arte africana > Bronze > Dogon Bronze

Tripulação composta por temas míticos associados aos "nommos", cujo barco assume a forma de um crocodilo. Este mundo imaginário, retirado das lendas da criação Dogon, inspira o trabalho dos artesãos Dogon. Pátina verde-acinzentada.
Os ferreiros Dogon formam uma casta endogâmica entre os Dogon chamada irim. Hoje eles produzem armas, ferramentas e também trabalham madeira. “Mestres do fogo” associados na cosmogonia Dogon aos seres primordiais “Nommo” criados pelo deus Ama, também deveriam tratar queimaduras. Pequenos objetos de metal, feitos com a técnica da cera perdida, eram difundidos na região do Delta Interior do Níger, com o cobre chegando lá através do comércio transsaariano. As escavações no planalto de Bandiagara revelaram, de facto, vestígios de sítios de ferro e aço que ...


Ver a folha

250,00

Placa Benin
Arte africana > Bronze > Placa Benin

Antes da destruição do palácio do Reino do Benin em 1897, o carácter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por múltiplas obras que celebravam o seu poder. Na arte tribal africana, cenas bélicas que os glorificavam eram reproduzidas em placas narrativas, em bronze, e afixadas nas paredes. Suntuosos altares de bronze, figuras comemorativas de chefes falecidos, majestosos felinos, pesadas pulseiras, tornozeleiras e recadas foram produzidos em grande quantidade em inúmeras oficinas de fundição usando a técnica de fundição por cera perdida. Durante o século XVI, Oba Esigie encomendou as primeiras placas de liga de cobre com ornamentação em relevo para decorar o palácio.
Este bronze de cera perdida do tipo Benin representa o rei e sua guarda. Pátina marrom, oxidação parcial do verdete.


Ver a folha

490,00

Yoruba Bronze
Arte africana > Bronze > Yoruba Bronze

Bronze figurativo representando o Oni, rei de Ifé cidade berço dos Yoruba, usando uma coroa muito detalhada. Atualmente, o Rei de Ifé usa um distintivo de função semelhante, formado por um segmento vertical trançado que termina em uma protuberância pontiaguda. Essa cabeça foi presa ao topo de uma efígie de madeira, vestida para representar o falecido rei no funeral e depois enterrada após a cerimônia em um santuário próximo ao palácio. Textura lisa, pátina acobreada dourada. A cidade de Ifé na Nigéria foi no século 15 o centro de um poderoso estado nas florestas a oeste do delta do Níger. O trabalho em bronze era uma prerrogativa do rei "oni", utilizando a técnica da cera perdida. Esses objetos de prestígio que personificavam os soberanos eram colocados nos altares reais para uso ...


Ver a folha

490,00

Placa de Bronze de Benin
Arte africana > Bronze > Bronze de Benin

Placa benigna, representando o Oba ladeado por guerreiros armados. Pátina verdete revelando o metal localmente.
Antes da destruição do palácio do Reino do Benin em 1897, o caráter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por várias obras que celebravam seu poder. Na arte tribal africana, as cenas de guerra que os glorificavam eram reproduzidas em placas narrativas, em bronze, e afixadas nas paredes. Altares de bronze suntuosos, figuras comemorativas de chefes falecidos, felinos majestosos, pulseiras pesadas, tornozeleiras e recades foram produzidos em quantidade em inúmeras oficinas de fundição usando a técnica de fundição por cera perdida. Durante o século XVI, a Oba Esigie encomendou as primeiras placas de liga de cobre com ornamentação em relevo. Muitos deles foram fundidos em ...


Ver a folha

Faça uma oferta

350,00

Miniatura de bronze Dogon
Arte africana > Bronze > Dogon bronze

Pequena estatueta anedótica descrevendo um personagem carregando um machado e um feixe de madeira. Esta estatueta com muitos detalhes é revestida com uma pátina preta incrustada de depósitos claros.
Os ferreiros Dogon formam uma casta endogâmica entre os Dogon chamada irim. Agora eles produzem armas, ferramentas e também trabalham com madeira. "Mestres do fogo" associados na cosmogonia Dogon com os seres primordiais "Nommo" criados pelo deus Ama, eles também devem curar queimaduras. Pequenos objetos de metal, feitos com a técnica da cera perdida, foram difundidos na região do Delta do Níger Interior, com o cobre chegando através do comércio trans-saariano. As escavações no planalto de Bandiagara trouxeram à luz vestígios de sítios de ferro e aço anteriores ao século XV, data da ...


Ver a folha

150,00

Yoruba Bronze
Arte africana > Bronze > Yoruba Bronze

Colocado no altar dedicado à rainha-mãe do século 16 na cidade de Benin, na Nigéria, o bronze representando um galo, Okpa, glorificava o poder real com sua aparência altiva. Se no Benin as aves domésticas eram oferendas ao deus Olokun, o galo também simboliza a esposa mais velha de Obá, e isso ainda está presente nos haréns familiares. A expressão "o galo canta mais alto" de fato descreve a autoridade, a sabedoria e a experiência da esposa mais velha. Esse tipo de escultura, metáfora do orgulho e da autoconfiança, estava, portanto, no altar do Obá e de sua mãe.
Antes da destruição do palácio do Reino do Benin em 1897, o caráter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por múltiplas obras, principalmente esculturas de bronze, celebrando seu poder. Suntuosos altares de bronze, figuras ...


Ver a folha

750,00

Bronze Benim
Arte africana > Bronze > Bronze Benim

Sujeito cuja morfologia remete aos anões da comitiva do rei. Os anões apareceram na corte de Benin no século 15, não apenas para diversão, mas também para vigilância. Dons ocultos foram de fato atribuídos a eles. Segundo Fagg, esses personagens também eram acrobatas e ilusionistas. Suas figuras de bronze deveriam adornar os altares dos ancestrais. Pátina marrom desgastada. Na arte africana, a arte de Benin é descrita como arte da corte porque está intimamente associada ao rei, conhecido como Oba.
br>
Antes da destruição do palácio do Reino de Benin em 1897, o caráter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por múltiplas obras codificadas celebrando seu poder. Suntuosos altares de bronze, figuras comemorativas de chefes falecidos, majestosos felinos, pesadas pulseiras, ...


Ver a folha

450,00

Yoruba Bronze
Arte africana > Bronze > Yoruba Bronze

Na arte tribal africana, o movimento artístico do qual essas esculturas fazem parte leva o nome da antiga capital religiosa da Nigéria, Ifè, uma das muitas cidades-estados estabelecidas pelos iorubás. Esta civilização sucedeu a civilização Nok. Esta cidade-estado de Ilé-Ifé, cuja ascensão culminou do século XII ao XV, tinha uma tradição artística de retratos reais imbuídos de realismo, efígies funerárias em bronze mas também em terracota. As dobras paralelas traçadas no pescoço evocariam as dobras de carne dos notáveis ​​prósperos, e as partes ocas que o acompanham seriam usadas para fixar o véu de contas do rei. As linhas paralelas do rosto representam as tradicionais escarificações. As aberturas ao redor da boca provavelmente representavam uma barba criada pela inserção de cabelos ou ...


Ver a folha

650,00

Bénin Estatueta
Arte africana > Bronze > Bénin Estatueta

Esta figura comemorativa de um dignitário benigno, representado sentado, constitui um intermediário entre o mundo espiritual e o povo Edo, e distingue-se pelos seus ornamentos em ágata e contas de coral. Sendo os reis do Benin sobretudo soldados, ele é representado com atributos simbólicos que ilustram o poder. Este bronze poderia constituir o topo de uma vara. Antes da destruição do palácio do Reino do Benin em 1897, o caráter divino dos reis, o Oba, era ilustrado por várias obras que celebravam seu poder. Cenas de guerra que os glorificavam foram reproduzidas em placas narrativas, em bronze, e afixadas nas paredes. Altares de bronze suntuosos, figuras comemorativas de chefes falecidos, felinos majestosos, pulseiras pesadas, tornozeleiras e recades foram produzidos em quantidade em ...


Ver a folha

240,00

Estatueta de cobre Dogon
Arte africana > Bronze > Dogon Estatueta

Estatueta de uma mulher sentada nos calcanhares. Esta estatueta é feita de metal dourado, a superfície revestida com depósitos oleosos escuros, provavelmente para fins rituais, apresenta arestas ásperas.
Os ferreiros Dogon formam uma casta endogâmica entre os Dogon chamada irim. Agora eles produzem armas, ferramentas e também trabalham com madeira. "Mestres do fogo" associados na cosmogonia Dogon com os seres primordiais "Nommo" criados pelo deus Ama, eles também devem curar queimaduras. Pequenos objetos de metal, feitos com a técnica da cera perdida, foram difundidos na região do Delta do Níger Interior, com o cobre chegando através do comércio trans-saariano. As escavações no planalto de Bandiagara trouxeram à luz vestígios de sítios de ferro e aço anteriores ao século XV, data ...


Ver a folha

190,00





Últimos itens que você visualizou:
Arte africana  - 

© 2024 - Digital Consult SPRL

Essentiel Galerie SPRL
73A Rue de Tournai - 7333 Tertre - Belgique
+32 (0)65.529.100
visa Master CardPaypal